4. Jun, 2015

O Boticário, Conservadorismo e Religião

Os conservadores, a maior parte da sociedade, se incomodam com o comercial, que, por sua vez, presumiu que as relações hétero e homossexuais são simplesmente "diferentes formas de amor". Os liberais acreditam que esta indignação dos conservadores são "puras representações de homofobia e histeria", que o amor alheio incomoda, que isto também é amor ao próximo e tutti quanti.

Primeiramente, é preciso salientar que O Boticário cometeu uma das maiores burrices do marketing comercial ao emitir uma propaganda que, segundo a marca, diz que "A proposta da campanha é abordar, com respeito e sensibilidade, a ressonância atual sobre as mais diferentes formas de amor”. Digo isto pelo fato de que ao emitir que a relação homossexual é também uma forma de amor, eles estão passando por cima de valores cristãos que, repito, são praticados e conservados pela maioria da população. Isto é motivo suficiente para que haja indignação, reclamações, mobilizações e, no fim, o boicote. Não é necessário nenhum conhecimento profundo em economia, para perceber que é loucura ofender os valores da maioria de seus clientes.

Sobre amor ao próximo que pregou Cristo, assim está em João 13:34:

“Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como Eu vos amei; que dessa mesma maneira tenhais amor uns para com os outros. Através deste testemunho todos reconhecerão que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros.”

Daí, podemos perceber que o amor cristão é a prática dos atos de Cristo, que são facilmente percebidos no modo como ele guiava seu povo, mostrando-lhe o caminho da verdade, da paz, da harmonia e da felicidade. O amor cristão não depende da atração sexual, seja heterossexual, seja homossexual.

Homofobia? De maneira alguma. Se dia dos namorados é o dia dos que se amam, O Boticário agiu de forma equivocada ao tentar mostrar as diferentes formas de amor sabendo-se que por trás desse sentimento existe uma semântica religiosa, seguida pela grande massa conservadora.